quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

FIM DA IMUNIDADE TRIBUTÁRIAS DAS IGREJAS! IGREJA DEVE SIM PAGAR IMPOSTOS!



Fim da imunidade tributária para igrejas aguarda parecer na CDH

Augusto Castro | 03/11/2016, 17h48 - ATUALIZADO EM 03/11/2016, 19h30
De acordo com o art. 150 da Constituição de 1988, a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios são proibidos de instituir impostos sobre "templos de qualquer culto". Uma sugestão popular que já está sendo analisada pelo Senado (SUG 2/2015) propõe a extinção da imunidade tributária das igrejas. A matéria aguarda parecer na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), mas já recebeu mais de 79 mil votos de apoio, e quase 4 mil contrários, no site Consulta Pública, do portal e-Cidadania do Senado.
Coube ao senador José Medeiros (PSD-MT) ficar com a relatoria da sugestão popular na CDH. Em entrevista à Agência/Jornal do Senado, ele disse nesta quinta-feira (3) que pretende apresentar seu relatório ainda neste mês.
— Nós estamos preparando o relatório, ouvindo pessoas de ambas as partes, construindo, mas não definimos ainda a linha que sairá o relatório. Lembrando que há argumentos de toda sorte. Há argumentos de que as igrejas usam isso para enriquecer seus comandantes. Outros argumentos de que as igrejas prestam um relevante serviço social e que as igrejas fazem parte do papel que é do Estado, levando cursos de formação, apoio psicológico e outros. São argumentos que devem ser levados em conta de ambas as partes, mas não temos ainda formada a convicção a respeito do tema — declarou o senador.
Conforme o texto constitucional, a proibição de os entes federativos criarem impostos sobre templos de qualquer culto compreende apenas “o patrimônio, a renda e os serviços relacionados com as finalidades essenciais das entidades”. Essa imunidade tributária pode ser entendida como uma extensão de outros mandamentos da Constituição, como a garantia à liberdade de crença e o livre exercício de cultos religiosos. Assim, locais de culto não pagam IPTU, os veículos usados pelo templo não pagam IPVA e das doações e dízimos recebidos não é cobrado imposto de renda, por exemplo.

Sugestão popular

A SUG 2/2015 foi incluída na página Ideia Legislativa do portal e-Cidadania pela cidadã do estado do Espírito Santo, Gisele Suhett Helmer, no começo de março de 2015. Em 19 de junho do mesmo ano, a sugestão alcançou o número de 20 mil apoiadores em quatro meses, que votaram pela internet. Com o número mínimo exigido (20 mil), a proposta ganhou o direito de ser analisada pelos senadores, que, ao final do processo, poderão transformá-la em uma proposta de emenda à Constituição (PEC).
A autora da sugestão defende que “os constantes escândalos financeiros que líderes religiosos protagonizam estão tornando-se o principal motivador da ideia de que a imunidade tributária das igrejas deve ser banida”. Ela também escreveu em sua proposta que “o Estado é uma instituição laica e qualquer organização que permite o enriquecimento de seus líderes e membros deve ser tributada”.


http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/11/03/fim-da-imunidade-tributaria-para-igrejas-aguarda-parecer-na-cdh

OPINIÃO ANDRÉ DE MORAES:

Eu não vejo a hora dessa safadeza acabar e as denominações pseudo evangélicas começarem a pagar impostos como qualquer um nesse mundo faz!
Final de contas o mestre que essas seitas dizem seguir, Jesus Cristo, disse: "Disse-lhes então: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus" Lucas 20:25.
Se o próprio mestre desses pseudos evangélicos, líderes de denominações bilionárias (como é o caso da seita UNIVERSAL DO REINO DE DEUS, disse que devemos dar à Cesar o que é dele, ou seja, pagar os impostos que esse mundo manda que paguemos e ele mesmo pagou, quem são esses líderes para dizer que não devem pagar? Acaso acham ser melhores que o mestre Jesus para ficarem isentos?

As denominações alegam que não devem pagar tributos ao estado porque fazem um trabalho social! Mas que trabalho social vocês fazem, orar? Jejuar? Cantar músicas evangélicas?A própria seita católica, a mãe das prostitutas e que vocês evangélicos tanto criticam, faz muito mais trabalho social do que as evangélicas e nem por isso deve ficar sem pagar impostos! afinal de contas, o que a seita católica faz não é 1% do que ela arrecada no mundo e do que ela tem guardado nos bancos e em terras por todo o mundo! E ainda assim, mamam nas tetas do governo! Governos esse que é sustentado por espíritas, membros de religiões afro descendentes, budistas e pessoas das mais diversas crenças e por ateus, que não devem ser obrigados a trabalhar para sustentar as religiões as quais não creem!

Eu sou a favor de que a lei crie regras especificas para isso, como por exemplo: as religiões que comprovarem que fazem um trabalho social sério e compatível com  arrecadação que fazem, que fiquem isenta de pagar impostos, do contrário TEM SIM QUE PAGAR IMPOSTOS AO GOVERNO!

Isso eu me refiro À TODAS AS RELIGIÕES EXISTENTES NO BRASIL, não é só denominações evangélicas!

PORQUE EU QUERO O FIM DA IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DAS RELIGIÕES?

Você deve estar se perguntando porque eu, um cristão, quero o fim da imunidade tributária das denominações. Até parece ser um tiro no pé, mas não é. Explico porque:
Primeiramente, é injusto as denominações evangélicas não pagarem aquilo que todo mundo paga! Segundo, as denominações evangélicas, como muitas outras religiões, se transformaram em uma excelente forma de lavagem de dinheiro!
Terceiro, as denominações não estão usado esse dinheiro, não tributado, para serviços sociais!
E quarto e principal: quero que as seitas (principalmente evangélicas) comecem a cair, pois é exatamente esse dinheiro que tem fortalecido tais seitas, enganando mais e mais pessoas!
Com a tributação das denominações evangélicas fará a renda cair e elas serão expostas à verdade.
Só Há um forma de separar o joio do trigo: a tribulação! Quando a igreja passa por alguma tribulação separa-se aí os que são de Deus e os que não são, e isso é o que mais precisamos hoje em dia!

Se essa lei for aprovada e nela existir uma parte que isente as denominações de serem tributas se, de fato, usar esse dinheiro para benefício do povo, então, as obras sociais podem aparecer, por bem ou por mal! Hehehehe!

Um comentário:

  1. Olá André!
    Acho muito interessante seu blog, explana muito bem as questões políticas sob a ótica do Messias.
    Fazem falta pessoas com bom senso dentro do "cristianismo", pois só vejo prosélitos que nada entendem e ainda me condenam por não frequentar a "casa" de Deus.
    Já adicionei aos favoritos.
    Parabéns!

    ResponderExcluir