terça-feira, 7 de julho de 2015

160- MAS AFINAL O CRISTÃO PRECISA ESTUDAR TEOLOGIA? PRECISAMOS ESTUDAR A BÍBLIA?

Mais Afinal O Cristão Precisa Estudar Teologia? Precisamos estudar a Bíblia?



Precisamos estudar a Bíblia? Precisamos ser ensinados?
Mais Afinal O Cristão Precisa Estudar Teologia?
Você precisa ser ensinado? Precisa estudar a Bíblia? Algumas igrejas e alguns líderes religiosos não incentivam o estudo da Bíblia, até dizem que a busca de conhecimento da palavra prejudica. Vamos considerar argumentos usados para desestimular o estudo das Escrituras, em contraste com as instruções da própria Bíblia.
1. Alguns afirmam que o crente não precisa de ensino, pois o Espírito o guia. Procuram apoio das Escrituras. Por exemplo, João diz “Não tendes necessidade de alguém que vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as coisas...” (1 João 2:27). Olhando melhor o contexto, percebemos que João alerta os discípulos sobre o perigo de deixar a verdade que já aprenderam para seguir enganadores (1 João 2:26-28).
Alguns aplicam às pessoas erradas as orientações que Jesus deu aos apóstolos: “O Espírito Santo ... vos ensinará todas as coisas” (João 14:26); “ele vos guiará a toda a verdade” (João 16:12); “não cuideis em como ou o que haveis de falar, porque ... vos será concedido o que haveis de dizer, visto que não sois vós os que falais, mas o Espírito ... que fala em vós” (Mateus 10:19-20). O Espírito revelou o evangelho diretamente aos apóstolos, mas eles deixaram esta mensagem escrita para as gerações posteriores (João 20:30-31; Hebreus 2:1-4; 2 Pedro 1:12-15). A pessoa que não estuda negligencia a palavra de Deus!
2. Alguns dizem que o estudo é perigoso, porque “a letra mata”. Uma tática para fugir do ensinamento da Bíblia é citar 2 Coríntios 3:6 – “a letra mata, mas o espírito vivifica”. Mas o contexto mostra que a “letra” representa a Antiga Aliança, e o “espírito”, a mensagem do Novo Testamento. Devemos estudar para ter a vida!
3. Muitos desestimulam o estudo para manter seu poder sobre os “leigos”. Os sacerdotes e fariseus, na época de Jesus, desprezaram as pessoas comuns (João 8:49), e muitos pastores hoje usam seus diplomas e títulos para manter suas posições de superioridade. E muitas ovelhas se contentam com a própria ignorância, exaltando seus líderes.


“Mas Jesus não quer seus seguidores ignorantes”! “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32); O evangelho “é o poder de Deus para a salvação” (Romanos 1:16); “a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo” (Romanos 10:17); “tendes, novamente, necessidade de alguém que vos ensine” (Hebreus 5:12); “acolhei, com mansidão, a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar a vossa alma.... “Mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar” (Tiago 1:21-25). As Escrituras servem para nos ensinar e nos habilitar para toda boa obra (1 Timóteo 3:16-17). Devemos estudá-las com diligência.

Veja o que diz alguns versículos da Bíblia:
O Apostolo Pedro, pescador humilde, sem muita cultura, aconselhou:
"Antes crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo" (2 Pedro 3.18).
"E estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós" (1 Pedro 3.15).
"O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento" (Oséias 4.6).
"E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês? E ele disse: Como poderei entender, se alguém não me ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse" (Atos 8.30, 31).


Felipe ouviu que o Eunuco lia o livro do profeta Isaías, e perguntou se ele entendia o que lia, o Eunuco disse que não, e ele o explicou.
"Portanto ide, ensinai a todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo" (Mateus 28.19).
"Errais, não conhecendo as Escrituras, e nem o poder de Deus". (Marcos 12.24).
O erro na vida do cristão deve-se a falta de conhecimento da palavra de Deus:
A capacitação para a obra é um fator de real importância para a vida do obreiro que quer realmente estar na Seara do Senhor. Veja o que diz a Bíblia:
"E a um deu cinco talentos, e a outro dois, e a outro um, a cada um SEGUNDO A SUA CAPACIDADE" (Mateus 25.15).
Se não nos esforçarmos em aprender a nos capacitar para a obra de Deus, não receberemos talentos além da nossa capacidade, como nos mostra o versículo acima. O tempo de cristão pode ter seu valor, pois a experiência tem seu lado essencial. Mas o conhecimento é de vital importância.

"A Letra Mata, mas o Espírito Vivifica"
No seu contexto, esta linha de 2 Coríntios 3:6 Pode se expressar (alusão-conjectura) um contraste importante entre a impropriedade do sistema do Velho Testamento e a suficiência de Cristo para nos salvar do pecado. A "letra" representa o "ministério da morte, gravado com letras em pedras" que foi dado aos israelitas através de Moisés (3:7,3). O “Espírito” representa a nova aliança de Cristo, revelada através do Espírito Santo e escrita em nossos corações (3:3,4,6,8).
Então quando Paulo fala de espirito é não fala de espirito santo, mas de estado de consciência, cognitivo, conhecimento, porque toda verdade liberta. Vejamos:
A palavra espírito apresenta diferentes significados e conotações diferentes, a maioria deles relativos a uma substância não-corpórea em contraste com o corpo material. A palavra espírito é muitas vezes usada metafisicamente para se referir à consciência ou personalidade. As noções de espírito e alma de uma pessoa muitas vezes também se sobre põem, como tanto contraste com o corpo e ambos são entendidos como sobreviver à morte do corpo na religião e ocultismo, e "espírito" também pode ter o sentido de "fantasma", ou seja, uma manifestação do espírito de uma pessoa falecida.
Aspiração. Logo – o que te vivifica e o que adquire.

A palavra espírito tem sua raiz etimológica do Latim "spiritus", significando "respiração" ou "sopro", mas também pode estar se referindo a "coragem", "vigor" e finalmente, fazer referência a sua raiz no idioma PIE *(s)peis- (“soprar”). Na Vulgata, a palavra em Latim é traduzida a partir do grego "pneuma" (πνευμα), (em Hebreu (רוח) ruah), e está em oposição ao termo anima, traduzido por "psykhē".
A distinção entre a alma e o espírito somente ocorreu com a atual terminologia judaico-cristã (ex. Grego. "psykhe" vs. "pneuma", Latim "anima" vs. "spiritus", Hebreu "ruach" vs. "neshama", "nephesh" ou ainda "neshama" da raíz "NSHM", respiração.)
o salmo 119: 34  Dá-me entendimento, e GUARDAREI A TUA LEI , e observá-la-ei de todo o meu coração.
A palavra hebraica “ruach” no Antigo Testamento significa:
“respiração, vento, espírito, coragem, temperamento, ira, disposição, o centro das emoções, mente, vontade, coração, caráter, moral.” Quando o escritor usou “ruach”, no AT, ele tinha um desses significados acima em sua mente. Exemplos:

1) Ruach com o sentido do Espírito de Homem
“Na verdade há um ruach (espírito) no homem, e o ruach (sopro) do Todo-Poderoso o faz entendido.” - Jó 32:8. “Nas tuas mãos entrego o meu ruach (espírito); tu me remiste, Senhor, Deus da verdade.” - Salmo 31:5. “Sai-lhes o ruach (espírito) e eles tornam ao pó....” - Salmo 146:4.
2) Ruach com o significado de sopro, hálito, respiração, ânimo
“Enquanto em mim estiver a minha vida, e o ruach (sopro) de Deus nos meus narizes...” - Jó 27:3. “O meu ruach (hálito) é intolerável à minha mulher...” - Jó 19:17. “Se lhes cortas a ruach (respiração), eles morrem, e voltam ao seu pó.” Salmos 104:29. “Despertou, pois, o Senhor, contra Jeorão o ruach (ânimo) dos filisteus...” - II Crônicas 21:16.
3) Ruach com o significado de respiração, Espírito e sopro de Deus
“A sua ruach (respiração) é como a torrente que transborda e chega até ao pescoço...” - Isaías 30:28. “Então disse o Senhor: O meu ruach (Espírito) não agirá para sempre no homem...” – Gênesis 6:3. “... Acharíamos, porventura, homem como este, em quem há o ruach (Espírito) de Deus?” – Gênesis 41:38. “O ruach (Espírito) de Deus me fez; e o ruach (sopro) do Todo-Poderoso me dá vida.” - Jó 33:4.

NOTA: Perceba que neste verso “ruach”, foi usada para “Espírito” de Deus e no mesmo verso o tradutor optou por “sopro” do Todo-Poderoso.
Comparemos os versos abaixo e vejamos como Paulo cita Isaías 40:13.
“Quem guiou o ruach (Espírito) do Senhor ou como o seu conselheiro o guiou?” Isaías 40:13 “Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro?” Romanos 11:34 “ruach” em Isaías foi traduzido por “Espírito”. Paulo citando esse verso usa a palavra grega “nous” que significa “mente”! Ou seja, para Paulo o “...Espírito do Senhor...” Isaías 40:13 é como a “...mente do Senhor... Rom. 11:34

Conclusão: Como vimos “ruach” significa: respiração, vento, espírito, mente, etc. Quando o escritor bíblico escreveu “ruach”, ele tinha em sua mente o significado de Pessoa?
 No NOVO TESTAMENTO, o termo traduzido como espírito é “pneuma”. Esta palavra grega tem o mesmo significado de “ruach” no hebraico, ou seja, é um sinônimo de: espírito, fôlego, vento, sopro, ar, mente.
4) “pneuma” no sentido de espírito
“Ele, porém, vos batizará com o pneuma (Espírito) Santo.” - Marcos 1:8. “Não sabeis que sois santuário de Deus, e que o pneuma (Espírito) de Deus habita em vós?” - I Coríntios 3:16. “...Ele tinha sete chifres, bem como sete olhos que são os sete pneuma (espíritos) de Deus...” - Apocalipse 5:6.
Conclusão: De nossa breve análise no Antigo Testamento e no Novo Testamento, concluímos que: as palavras “ruach” e “pneuma” foram traduzidas como espírito, vento, sopro, fôlego, mente, etc. Quando os escritores bíblicos usaram essas palavras, eles tinham em mente esses significados.
É uma trágica e triste ironia que alguns professores de hoje estejam arrancando este versículo de seu contexto e destorcendo seu significado tão completamente que eles negam o verdadeiro ponto que Paulo está dando no texto. Algumas pessoas, quando confrontadas com o fato que suas doutrinas e práticas humanas não são aprovadas no Novo Testamento, são tão orgulhosas ou tão cegas, que não admitem seu erro. Em vez disso, elas atiram este versículo na face daquele que está salientando a importância de obedecer Cristo e sugerem que o estudo cuidadoso da Bíblia é inútil e até perigoso, "porque a letra mata, mas o Espírito vivifica". Que blasfêmia contra a palavra de Deus!
No mesmo contexto de 2 Coríntios 3, Paulo enfatiza a importância da palavra revelada por Cristo. Ele destaca o valor da palavra de Deus (4:2), da verdade (4:2), do conhecimento da glória de Deus (4:6), da liberdade (3:17; veja João 8:32 para saber como encontramos esta liberdade), e de olhar no espelho que nos transforma (3:18; veja Tiago 1:23-25 para saber o que é este espelho).
Há ainda mais uma triste ironia com este argumento, que não deveríamos estudar a Bíblia cuidadosamente porque "a letra mata". Em minha limitada experiência, as mesmas pessoas que mais frequentemente usam 2 Coríntios 3:6 para fugir de suas responsabilidades de obedecer alguma instrução de Cristo são as mesmas que apelam para o Velho Testamento, para defender tais práticas como o dízimo, o batismo infantil, ou a aspersão (em vez da imersão). Estas práticas não são autorizadas pelo Novo Testamento, como revelado pelo Espírito. Não temos nenhum direito para retornar à "letra" escrita em tábuas de pedra para fugir do ensinamento da nova aliança.

Mas quem é espiritual discerne todas as coisas,1 Coríntios 2:15. Porque o homem entendido (espiritual) ele compreende as coisas com mais facilidade e pesar com temperança os conhecimentos adquiridos. “Não julguem apenas pela aparência, mas façam julgamentos justos”. João 7:24
Amados, não creiam em qualquer espírito, mas examinem os espíritos para ver se eles procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo.  1 João 4:1 todo mundo então virou médium? Não é isso que ele falou, mas examinar o entendimento da pessoa, examinar a mente da pessoa se procede tudo do alto.
Mas o que tem haver sobre o não julgar os outros?
Não devemos julgar ninguém?

7 —Não julguem os outros para que vocês também não sejam julgados. 2 Pois da mesma maneira como vocês julgam os outros, também serão julgados e a medida que usarem para outros, essa será a mesma medida que Deus usará para vocês.

3 —Por que você olha o cisco que está no olho do seu irmão e não vê o tronco que está no seu próprio olho? 4 Como é que pode dizer ao seu irmão: “Deixe-me tirar o cisco do seu olho” quando você mesmo tem um tronco no seu próprio olho? 5 Hipócrita! Tire primeiro o tronco que está no seu olho e então verá muito melhor para tirar o cisco do olho do seu irmão.

6 —Não deem as coisas sagradas aos cães nem atirem as suas pérolas aos porcos, pois os porcos pisarão nas pérolas e os cães se virarão e atacarão a vocês.
A Bíblia diz que o cristão não pode julgar?
Fui, então, buscar na fonte, na Bíblia sagrada, se o cristão pode ou não julgar. Será que a Bíblia proíbe o cristão de julgar em todos os casos?
1-) O texto de Mt 7.1 não proíbe todo tipo de julgamento, somente o julgamento hipócrita
Uma das regras de interpretação diz que devemos ler o contexto para interpretarmos o texto corretamente. O contexto de Mt 7. 1 mostra um tipo de julgamento firmado na hipocrisia. O julgamento de quem aponta o defeito no outro, mas tem o mesmo defeito e até pior (Mt 7.3). Esse tipo de julgamento é condenado por Jesus. É desse tipo de julgamento que Jesus se refere no texto em questão. É o julgamento, por exemplo, dos fariseus que julgavam certas práticas do povo, ou de alguns grupos de indivíduos, mas também as praticavam.
Note que Jesus, nesse mesmo texto, manda a pessoa julgar, porém, manda que ela resolva primeiro a sua situação para, só depois, ter autoridade para olhar para a situação do outro: “Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” (Mt 7.5). Como tirar o argueiro do olho do irmão sem julgar se aquilo que ele tem no olho é realmente um argueiro que precisa ser retirado?
2-) A Bíblia mostra diversos exemplos de servos de Deus julgando, inclusive Jesus.
Jesus julgou os maus atos dos fariseus. Chamar os fariseus de “raça de víboras e maus” é julgar: “Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração.” (Mt 12. 34)
Paulo manda a igreja julgar suas próprias causas e critica (julga) a igreja de Corinto por levar causas a tribunais ao invés de julgarem ali mesmo na comunidade e resolverem a situação. Ou seja, pode e deve julgar: “Não há, porventura, nem ao menos um sábio entre vós, que possa julgar no meio da irmandade?” (1Co 6. 5).
Aqui João julga diversas atitude de um tal Diótrefes e promete chamar a atenção dele. Chama-o de caluniador e de mentiroso: “Eu escrevi uma pequena carta à igreja, mas Diótrefes, que deseja ser o líder, não quer dar atenção ao que eu disse. Portanto, quando eu chegar aí, vou chamar a atenção dele a respeito de tudo o que ele tem feito: as coisas horríveis que diz de nós e as mentiras que conta…” (3Jo 1. 9-10 – NTLH)
3-) Não há como cumprir certas partes da Bíblia sem julgar
Como iremos, sem julgar, reprovar as obras das trevas como nos manda Ef 5. 11? Como iremos, sem julgar, descobrir o disfarce dos falsos mestres como nos manda Jesus em Mt 7. 15? Como saberemos, sem julgar, rejeitar o falso evangelho pregado, como Paulo nos orienta em Gl 1.8? Como iremos rejeitar o sinal da besta descrito em Ap 13.18 sem julgar aqueles que tentarão nos impor o seu uso? Como identificar as heresias destruidoras mencionadas em 2 Pe 2. 1 sem julgar os ensinos dos que a pregarão? Como, sem julgar, saberemos entrar pela porta estreita, rejeitando o caminho largo como nos manda Jesus em Mt 7. 13-14?…
Conclusão
Creio que ficou claro que devemos sim julgar. A Bíblia proíbe o julgamento hipócrita, mas não proíbe julgarmos outras questões importantes da nossa vida. É evidente que julgarmos com violência, desrespeito, preconceito e outras atitudes prejudiciais não é do agrado de Deus. O que está em foco aqui é o julgamento saudável, importante para o ser humano e para a sociedade.
Creio que os que defendem que não devemos julgar, deveriam primeiro avaliar o que a Bíblia diz e depois olharem para si mesmos e observarem que, como todo ser humano, julgam o tempo todo: No trânsito, ao criticar a ação errada de determinado motorista; em casa, ao chamar a atenção de um filho; no trabalho, ao não concordar com a posição do chefe ou lutando contra alguma injustiça; Na igreja, ao questionar alguma doutrina com algum irmão ou lider… e uma última: as mulheres quando acham a roupa da outra horrível também estão julgando (risos) “Não julguem apenas pela aparência, mas façam julgamentos justos”. João 7:24
Assim, julgar é inerente ao ser humano, é aprovado pela Bíblia e faz parte da vida!
Mas Devemos ter cuidado para não distorcermos as Escrituras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário