sábado, 20 de junho de 2015

146- JOVEM DE 16 ANOS É ESPANCADA POR SER EVANGÉLICA! PORQUE QUE A MÍDIA TAMBÉM NÃO DIVULGA ISSO?

 O TIO TAMBÉM FOI ESPANCADO COM PEDAÇOS DE PAU POR CERCA DE 30 PESSOAS, TEM O ROSTO DESFIGURADO E ESTÁ NA UTI!

FONTE:  http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/2015/05/homem-e-espancado-por-estudantes-apos-sobrinha-evangelica-ser-agredida.html

http://www.noticiasbrasileiras.com.br/index.php/60098/homem-e-espancado-por-estudantes-apos-sobrinha-evangelica-ser-agredida-noticias-em-ribeirc3a3o-e-franca/

A Polícia Civil tenta identificar cerca de 30 pessoas suspeitas de agredir a pauladas um homem de 31 anos, no momento em que tentava socorrer uma sobrinha, de 16 anos, atacada por um grupo de estudantes na porta da Escola Estadual Embaixador Macedo de Soares, no bairro Ibirapuera, em Barretos (SP).
O homem teve o rosto desfigurado e sofreu traumatismo craniano. Ele foi internado na Santa Casa da cidade, já recebeu alta, mas precisará passar por uma cirurgia. A jovem e os pais dela, que também se envolveram no tumulto, na última quinta-feira (14), tiveram ferimentos leves.

O motivo da briga teria sido uma desavença ocorrida no dia anterior entre a irmã da adolescente, de 12 anos, e colegas da mesma escola. A menina contou à polícia que há duas semanas vinha sendo hostilizada por ser evangélica. Na quarta-feira (13), cansada da situação, reagiu e acabou sendo agredida por cinco estudantes.
“Elas disseram que não gostavam do meu jeito, do meu cabelo. A diretora já tinha me avisado que elas não gostavam do jeito que eu me arrumava. Elas ficavam me chamando de ‘zé povinho’, dizendo que eu ia perder o cabelo, essas coisas”, afirmou.
A mãe, que por segurança prefere não se identificar, disse ter presenciado o momento em que os alunos agrediram a filha com socos e puxões de cabelo. “Eu peguei ela (sic) e levei embora. Mesmo com ela dentro do carro, um menino ainda saiu puxando o cabelo dela. Eu tentando sair da porta da escola e ele puxando o cabelo dela”, relembrou.
A mulher e o marido decidiram registrar um boletim de ocorrência no mesmo dia, mas, enquanto se dirigiam à delegacia da cidade, encontrar três dos cinco agressores na rua. “Meu marido desceu e foi tirar satisfação com um deles. Ele perguntou por que tinham batido [nela] e eles avançaram no meu marido também”, disse.
Mãe diz que as filhas de 12 anos (à esquerda) e de 16 anos (à direita) foram agredidas por colegas de escola (Foto: Valdinei Malaguti/EPTV)Mãe diz que as filhas de 12 e 16 anos foram agredidas por colegas de escola (Foto: Valdinei Malaguti/EPTV)
Tumulto
No dia seguinte, a filha mais velha do casal, de 16 anos, foi ao colégio normalmente no período da manhã. Na saída da aula, no entanto, já era esperada do lado de fora da escola por três estudantes, que passaram a espanca-la com socos e chutes, conforme conta a mãe, que conseguiu intervir.
“Eu entrei no meio para tirar minha filha e eles me agrediram também. Meu marido entrou no meio, meu irmão entrou no meio. Quando meu irmão entrou para separar, começou o tumulto. Tinha umas 30 pessoas lá, entre homens e mulheres. Alguns eram da escola, mas outros não”, contou a mulher.
O tumulto só terminou com a chegada da Polícia Militar. Segundo relato da família, o tio das meninas foi atingido com uma paulada na cabeça, desmaiou e continuou recebendo pontapés. Ele foi socorrido e levado para a Santa Casa da cidade, com ferimentos graves no rosto.
Mulher diz que após agressões, estudantes passaram a ameaçar as filhas em redes sociais (Foto: Valdinei Malaguti/EPTV)Mulher diz que após agressões, estudantes passaram a ameaçar as filhas em redes sociais na internet (Foto: Valdinei Malaguti/EPTV)
Medo
Após as agressões, a mãe das jovens decidiu transferi-las para outro colégio, principalmente porque passou a receber ameaças por mensagens de texto no celular e também em redes sociais na internet. O material será entregue à polícia. A mulher não descarta a possibilidade de a família voltar a morar em Goiânia (GO), sua cidade natal.
“Eu me senti impotente. A covardia foi demais. Na hora, eu não tinha para quem pedir socorro. Eles enfrentam os próprios coordenadores da escola. Eu vou tirar as minhas filhas da escola e não sei nem se vou continuar na cidade. Eu estou com medo”, afirmou.
Tumulto aconteceu em frente a escola estadual no bairro Ibirapuera (Foto: Valdinei Malaguti/EPTV)Tumulto aconteceu em frente a escola estadual no bairro Ibirapuera (Foto: Valdinei Malaguti/EPTV)
Investigação
Na sexta-feira (15), um adolescente suspeito de participar do espancamento foi apreendido, prestou depoimento e acabou sendo liberado. A policial militar Rita de Cássia Cruvinel disse que o jovem possui antecedentes criminais, mas negou ter agredido o tio das adolescentes.
“Ele tem outros envolvimentos, como desacato, desobediência, ameaça, inclusive a outros policiais também. Ele negou todos os fatos e disse que apenas estava presente no momento da agressão”, afirmou Rita, destacando que a PM realiza patrulhamento constante próximo à escola e que nunca houve registro de ocorrências graves no local.
Já a conselheira tutelar Andreza Rebor disse que não foi informado sobre a agressão, mas se reunirá com a direção do colégio para obter detalhes sobre o caso.
Em nota, a Diretoria Regional de Ensino de Barretos informou que é responsável apenas pela instrução pedagófica dos alunos e que possui parceria com a Polícia Militar, responsável por fazer a ronda escolar no ambiente externo da escola.
A Polícia Civil não informou detalhes sobre a investigação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário